Barca de Pedro, Iglesia viva - The CARF Blog - Artigos de especialistas
Seleccionar página
Sr. Ramiro Pellitero Iglesias
29 Jun, 20

Artigos de Especialistas

O barco de Pedro, Igreja viva

Hoje a Igreja celebra a festa dos Santos Pedro e Paulo. Recordamos as palavras de Bento XVI, em frente à Praça de São Pedro, na sua última audiência como Papa no dia em que iniciou o seu ministério petrino: "Vejo que a Igreja está viva".

A Igreja está viva com a juventude de Cristo

"A Igreja está viva - foi a sua saudação de 24 de Abril de 2005. porque Cristo está vivo, porque Ele ressuscitou de facto". A Igreja está viva e jovem, salientou ele. O Igreja vive com essa juventude de Cristo ressuscitado. E por esta razão, ele declarou que não tinha outro programa a não ser colocar-se ao serviço do ouvir a Deus para que Ele possa continuar a liderar a Igreja.

Essa mesma certeza, Bento XVI mostrou nesse dia, com confiança e alegria, verificando e confirmando que Ele foi ouvido: "Posso dizer que o Senhor realmente me guiou, Ele tem estado perto de mim, tenho sido capaz de perceber a Sua presença diariamente".

Como alguém que já experimentou bem o caminho de Evangelhofazendo carne na sua vida o ministério de PeterTem sido uma parte do caminho da Igreja, que tem tido momentos de alegria e de luz, mas também momentos que não têm sido fáceis; Senti-me como São Pedro com os apóstolos no barco no lago da Galileia.O Senhor deu-nos muitos dias de sol e brisa suave, dias em que a pesca era abundante; também houve tempos em que as águas eram agitadas e o vento era contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir. Mas eu sempre soube que naquele barco estava o Sr. E eu sempre soube que o barco da Igreja não é meu, não é nosso, é Dele. E o Senhor não o deixa afundar; é Ele quem o dirige, certamente também através dos homens que Ele escolheu, porque é isso que Ele quis. Isto foi e é uma certeza de que nada pode manchar".

Giotto, Navicella (1605-1613), Fabbrica di San Pietro, Cidade do Vaticano

Experiência, testemunho, gratidão

Experiência, testemunho e gratidão: "E assim o meu coração está cheio de gratidão a Deus, porque Ele nunca deixou faltar a toda a Igreja e a mim o seu consolo, a sua luz, o seu amor".

Ele volta-se agora para aqueles que o ouviram naquela audiência e para todos nós que retomamos as suas palavras. E ele diz-nos porque proclamou o Ano da Fé: "precisamente para fortalecer a nossa fé". em Deus, num contexto que parece estar a relegá-lo cada vez mais para segundo plano". Ele quer transmitir-nos a sua experiência através do seu testemunho, e também para nos mover para o confiança alegre e oração Ele próprio está grato pelo trabalho e apoio, pelo respeito e compreensão daqueles que o rodearam e daqueles que o rodeiam.

É claro que a profundidade teológica chega até ele: "Sim, o Papa nunca está sozinho; agora volto a experimentá-lo de uma forma tão grande que toca o coração". Ele fala das muitas pessoas que lhe escreveram, não como um príncipe ou um personagem que não conhecem: "Escrevem-me como irmãos e irmãs ou como filhos e filhas, sentindo um vínculo comigo". família muito afectuoso". É por isso que ele afirma ter vivido vividamente a realidade da Igreja como um corpo vivo em Cristo e família de Deus: "Aqui você pode tocar com a mão o que a Igreja é - não uma organização, uma associação para fins religiosos, ou uma associação com fins religiosos, mas uma organização que tem uma missão, uma associação para fins religiosos, uma associação para fins religiosos. humanitáriosmas um corpo vivo, um comunhão irmãos e irmãs no Corpo de Jesus Cristo, que nos une a todos". Consequência: "Experimentar a Igreja desta forma, e poder quase tocar com a mão o poder da sua verdade e da sua amorÉ um motivo de regozijo, numa altura em que tantos falam do seu declínio. Mas nós vemos como a Igreja está viva hoje.

Ele então refere-se à sua oração insistente, durante os últimos meses, para pedir luz a Deus, a fim de tomar a decisão certa. E ele diz que deu este passo "com plena consciência da sua importância e também da sua novidade, mas com uma profunda serenidade de espírito".

Amar a Igreja, que pertence a Deus e que é guiada por Ele.

Também se seguem lições simples e densas: "Amar a Igreja significa também ter a coragem de tomar decisões Sempre tive o bem da Igreja no coração e não o bem de mim mesmo". Ao longo destes anos", continuou ele, "pude experimentar, e estou a experimentar agora, que se recebe vida precisamente quando se dá"; porque o sucessor de Peter (porque ele é o pai comum da família de Deus na terra), "ele já não pertence a si mesmo, ele pertence a todos e todos lhe pertencem". E confirma que, também no seu caso, não há volta atrás; que não pretende abandonar a cruz, e como sinal disso permanecerá no recinto do Vaticano: "Continuarei a acompanhar o caminho da Igreja com a oração e reflexão, com dedicação ao Senhor e à sua EsposaAté agora tenho tentado viver todos os dias e gostaria de viver para sempre.

É dia na praça do Vaticano e depois de pedir orações para si e para aqueles que têm o dever de eleger um novo Papa, invocando Maria, ele disse adeus Bento XVIcomo se ele nos estivesse a dizer - como o Bispo Javier Echevarría- "Não vos deixarei como órfãos..." (Jo 14:18). E não sem exercer, no último minuto, o seu dever de confirmar os fiéis em unidade e fé:

"Caros amigos, Deus guia a sua Igreja, sustenta-a sempre, mesmo e especialmente em tempos difíceis. Nunca percamos esta visão de que é a única visão verdadeira do caminho do Igreja e do mundo. No nosso coração, no coração de cada um de vós, que haja sempre a alegre certeza de que o Senhor está ao nosso lado, que não nos abandona, que está perto de nós e que nos cobre com a sua amor. Obrigado.

A última palavra de Bento XVI, antes de mais nada com a sua vida, é de gratidão, como um grão de trigo que se torna fecundo (cf. Jo 12,24).

Sr. Ramiro Pellitero Iglesias
Professor de Teologia Pastoral
Faculdade de Teologia
Universidade de Navarra

Publicado em "Igreja e nova evangelização".

Sacerdotes, o sorriso de Deus na Terra

Dê um rosto à sua doação. Ajude-nos a formar sacerdotes diocesanos e religiosos.

Artigos relacionados