O padre iraquiano Aram Pano: uma vocação nascida da guerra
Seleccionar página
Dott. Gerardo Ferrara
01 Mar, 21

Testemunhos de sacerdotes

simon_muhangwa

O padre iraquiano Aram Pano: uma vocação nascida da guerra

Na véspera da viagem do Papa Francisco ao Iraque, o CARF entrevista Aram Pano, um padre iraquiano de 34 anos, actualmente a estudar Comunicação na Pontifícia Universidade da Santa Cruz em Roma. Aram é o próximo convidado do Encontro de Reflexão do CARF, a ter lugar na quinta-feira 4 de Março. Ele discerniu o chamado do Senhor para o sacerdócio na Segunda Guerra do Golfo. Uma vocação nascida na guerra.  

Aram Pano, o padre iraquiano que será o próximo convidado do Reunião de Reflexão CARF na quinta-feira 4 de Março, quem irá falar sobre a situação social, cultural e religiosa no Iraque e o que esta viagem do Santo Padre significará para o país. 

"A visita do Santo Padre representa um grande desafio para aqueles que querem destruir o país e mostrará os verdadeiros valores do cristianismo, numa nação que já rejeita os cristãos, na perspectiva da Carta Encíclica "Irmãos e Irmãs". Pois é disto que o meu país precisa: fraternidade. Assim, todos os cristãos no Iraque esperam que esta viagem faça a diferença. Na minha opinião, a nível social, a nível do povo, muitas coisas irão mudar, mas a nível político, no Iraque, não penso que muita coisa irá mudar", diz ele.

Aramaico, a língua de Jesus

"Obrigado por me convidar para falar com os nossos amigos de língua espanhola!Shlama o shina o taibotha o taibotha dmaria saria ild kolque em Aramaico significa "paz, tranquilidade e a graça de Deus esteja com todos vós", saúda Aram.

Inacreditável! É chocante ouvir o aramaico, a língua de Jesus... E sobretudo saber que é a língua comum de muitas pessoas, depois de dois mil anos.

Sim, de facto o aramaico, no dialecto siríaco oriental, é a minha língua materna e a língua de todos os habitantes da área onde nasci, no norte do Iraque, que se chama Tel Skuf, que significa Monte do Bispo. Está localizada a cerca de 30 km de Mosul, a antiga cidade de Nínive, no coração cristão do país.

Toda a sua aldeia é cristã

 Por isso, toda a aldeia onde cresceu é cristã.

Sim, um cristão católico de rito caldeu. A vida lá era muito simples: quase todos os habitantes são camponeses e vivem do cultivo dos seus campos e do cuidado do seu gado. As pessoas trocavam os produtos da terra e todos tinham o que precisavam para viver. Além disso, há o costume de oferecer os primeiros frutos da colheita todos os anos à Igreja para apoiar os sacerdotes e para que também eles possam cuidar dos mais necessitados.

Lembro-me que as casas eram suficientemente grandes para uma família viver... E para nós, a família é uma coisa muito grande: filhos, pais, mães, avós... Todos eles vivem juntos nestas típicas casas orientais, brancas e quadradas, com um pátio no meio, como um jardim, e os quartos à sua volta.

Uma vida entre guerras

Mas esta paz idílica durou apenas alguns anos.

Bem, na verdade nunca existiu, porque quando eu nasci estávamos no último ano da guerra Irão-Iraque, uma guerra que durou oito anos e resultou em mais de 1,5 milhões de mortos. O meu pai e três dos meus tios lutaram no conflito e foi um momento muito difícil para a minha avó e para a minha mãe. Eles esperavam e rezavam para que os seus entes queridos voltassem para casa. E assim o fizeram, graças a Deus, o meu pai e os seus irmãos voltaram.

 E em 1991 outra guerra eclodiu....

Ficámos na nossa aldeia apenas até 1992, quando terminou a Primeira Guerra do Golfo, entre o Iraque de um lado e o Kuwait e a coligação internacional, do outro. Mudámo-nos para uma grande cidade no sul do Iraque, Basra, a terceira maior cidade do país depois da capital Bagdad e Mosul. A maioria dos seus habitantes são muçulmanos xiitas e não há muitos cristãos lá. Ainda me lembro da água salgada, do calor, das palmeiras... Uma paisagem muito diferente daquela a que eu estava habituado. E o número de poços de petróleo e refinarias por todo o lado... Mas as pessoas foram e continuam a ser muito generosas e acolhedoras.

 

"A visita do Santo Padre representa um grande desafio para aqueles que querem destruir o país e mostrarão os verdadeiros valores do cristianismo".

Aram Pano numa igreja no Iraque.

Na foto, Aram Pano está no pátio da Igreja do Sagrado Coração de Jesus em Tel Kaif, uma cidade cristã perto de Mosul, no norte do Iraque. Ele não tem enfrentado perseguição cara a cara, mas tem ouvido muitas histórias de sofrimento.

"Em 2004, duas freiras estavam a trabalhar com o Exército dos EUA em Basra. Um dia, quando regressaram a casa, um grupo islâmico radical matou as irmãs em frente da sua casa. Isto espalhou-se por todo o Iraque e o meu país tornou-se o epicentro do terrorismo. Em 2014 ISIS veio e destruiu muitas das nossas igrejas e as nossas casas. Há um plano para destruir a história dos cristãos no meu país, como fizeram em 1948 com os judeus", diz ela.

 

O Chamado para Servir ao Senhor

A cidade de Basra tem duas paróquias que fazem parte da Arquiparquia de Basra e do Sul, com 800 fiéis. Em 1995 ele recebeu a sua Primeira Comunhão e foi então que primeiro sentiu o chamado para servir o Senhor.

E como correu?

A paróquia era como a minha casa. Adorava ir com o grupo de crianças para brincar com elas mas também para a catequese - mas a ideia de entrar no seminário tornou-se mais clara para mim quando estava na escola secundária.

 A terceira guerra da sua vida

Tinha dezasseis anos de idade na terceira guerra da sua vida. Quais são as suas memórias do Segundo Conflito do Golfo?

Era 2003, uma guerra de invasão e ocupação do Iraque liderada pelos Estados Unidos da América. Durou quase quatro meses e a última cidade a cair foi Basra, onde eu vivi. Lembro-me de ver aviões americanos a chegar e bombardear, e tínhamos medo, porque muitos dos edifícios do estado estavam perto da nossa casa. Lembro-me de uma noite em que estava a dormir e fui acordado pelo som de um míssil a atingir um edifício a cerca de 500 metros de distância de nós. Saímos para a rua, as pessoas corriam e os americanos atiravam as suas bombas de som para nos aterrorizar. Foi então que eu ouvi mais claramente o chamado do Senhor.

 Refugiar-se na paróquia

É comovente pensar que, embora a voz do Senhor não esteja no ruído dos mísseis e das bombas sonoras, ela faz-se ouvir, em toda a sua doçura, no meio deste horror. 

É isso mesmo. E além disso, se não tivéssemos sofrido o terror dos atentados, o meu pai não teria pedido abrigo ao bispo: a igreja estava muito perto de onde vivíamos, mas ali, Na casa do Senhor, sentimo-nos mais seguros. Então o meu pai começou a servir na cozinha para retribuir um pouco a generosidade com que fomos recebidos. Eu, entretanto, aprendi a servir no altar com o padre. No final da guerra, o nosso bispo escolheu-me para ir com ele a uma aldeia chamada Misan.Fui encorajado a tomar a minha decisão pelo que lá vivi, cerca de 170 km a nordeste de Basra.

Fiéis, de joelhos, a chorar, a rezar, a suplicar 

 Quer contar-nos o que lhe aconteceu?

Quando o bispo me pediu para o acompanhar a Misan na sua missão pastoral, a minha família disse primeiro que não, eles não queriam. Mas eu senti-me muito determinado a ir e fi-lo. Quando chegámos, fiquei surpreendido por ver os fiéis a entrar na igreja de joelhos e sem sapatos. Ajoelharam-se diante do altar, em frente ao ícone da Virgem Maria, chorando, orando, suplicando.

Depois, quando a missa começou, oficiada pelo bispo segundo o nosso rito caldeu, reparei que os fiéis nem sequer sabiam as orações ou quando se deviam sentar ou levantar-se. Isto impressionou-me muito e eu pensava que eles eram como ovelhas sem pastor. Olhei imediatamente para o bispo que era mais velho e o pensamento passou-me pela cabeça quem o poderia substituir e ajudar tantas famílias.

Ordenado sacerdote em 2011 

É impressionante ver como Jesus é movido diante das multidões que são como ovelhas sem pastor. 

Precisamente! Assim, com este pensamento, continuei os meus estudos na escola do Instituto Vocacional e, em 2005, entrei no seminário em Bagdade, a capital do Iraque. Lá estudei filosofia e teologia durante 6 anos e formei-me em Junho de 2011 e no dia 9 de Setembro de 2011 fui ordenado sacerdote.

"No Iraque existe um plano para destruir a história dos cristãos no nosso país". 

Aram Pano, um padre iraquiano, estuda Comunicação Institucional.

Após quase 10 anos como sacerdote, Aram Pano, enviado pelo seu bispo, estuda Comunicação Institucional em Roma na Universidade Pontifícia da Santa Cruz "porque o mundo precisa que cada um de nós contribua para a evangelização". E especialmente nestes tempos, para proclamar o Evangelho, é necessário conhecer a cultura digital e de comunicação. Tenho uma grande esperança para o futuro: podemos trabalhar todos juntos para espalhar a nossa fé através de todos os canais possíveis, enquanto preservamos a nossa identidade e a nossa originalidade", diz ele.

Uma perseguição atrás da outra

Aram lembra aos cristãos do Ocidente para não esquecerem os seus irmãos e irmãs do Ocidente que sofrer perseguição em países como o seuIraque, onde tem vivido um conflito atrás do outro. Após a última guerra, a vida social no Iraque mudou muito.

"Tem havido uma mercantilização do homem. Na terra onde nasceu a civilização, onde o homem construiu as primeiras cidades, onde nasceu o primeiro código legal da história, tudo parece ter terminado em destruição: o mais forte mata o mais fraco, a corrupção paira sobre a sociedade e os cristãos sofrem perseguição há 1.400 anos".

"Antes de 2003 havia 1,5 milhões de cristãos e hoje há 250.000. A perseguição não se trata apenas de sobrevivência física: estende-se ao nível social e político, às oportunidades de emprego e até mesmo ao direito à educação", diz ele.

Aram Pano com amigos e familiares. Aram Pano com amigos e familiares.

 Sobre a visita do Papa Francisco

Quais são os problemas no Iraque hoje em dia e o que significa a visita do Papa?

A falta de honestidade e de vontade de reconstruir o país significa que os muçulmanos se separaram, o governo pensa mais em ser leal aos países vizinhos do que no bem-estar dos seus cidadãos... E tudo isto aos olhos dos Estados Unidos. Não há um problema, mas muitos problemas complicados.

Eu acredito que a política, o serviço ao cidadão, já não existe, porque está nas mãos de outros de fora do Iraque. No entanto, o fruto da obra de Deus não está ao nosso alcance e rezamos para que, através desta jornada, a paz, o amor e a unidade de Cristo sejam proclamados a um povo que já não o pode suportar.

As raízes cristãs profundas 

Um povo, aliás, onde o Cristianismo deixou raízes profundas, especialmente a Igreja Caldeia.

Claro que sim! De facto, o cristianismo chegou ao Iraque com os apóstolos S. Tomé e Bartolomeu e os seus discípulos Tadai (Addai) de Edessa e Mari no século II: fundaram a primeira Igreja na Mesopotâmia e, graças ao seu trabalho missionário, chegaram até à Índia e à China. A nossa liturgia vem da mais antiga anáfora eucarística cristã, conhecida como a Anáfora de Addai e Mari. A Igreja, naquela época, estava dentro do Império Persa, com a sua própria liturgia oriental, a sua própria arquitectura e uma forma de rezar muito semelhante à liturgia judaica.

A teologia da nossa Igreja Oriental é espiritual e simbólica. Há muitos pais e mártires muito importantes, por exemplo, Mar (Santo) Ephrem, Mar Narsei, Mar Theodore, Mar Abrahim de Kashkar, Mar Elijah al-Hiri, etc.

A Igreja Católica Caldeia, em comunhão com o Papa 

A Igreja Católica Caldeia, que está em comunhão com Roma, surgiu como resultado de um cisma dentro da Igreja Babilónica, devido a uma rivalidade entre patriarcas, em particular, porque uma corrente desejava unir-se a Roma.

A nossa tradição, contudo, é tipicamente oriental e profundamente enraizada no país, onde vestígios da presença cristã milenar podem ser encontrados em todo o lado, com santuários, mosteiros, igrejas e tradições antigas.

Espero que a minha estadia em Roma me permita trabalhar na preservação desta identidade e desta rica e longa história, utilizando também as ferramentas e meios que a modernidade nos permite ter hoje.

Aram Pano em Roma. Aram Pano em Roma.

25 anos da Santa Cruz Faculdade de Comunicação

Esta entrevista faz parte da relatórios para celebrar o 25º aniversário da Faculdade de Comunicação da Pontifícia Universidade da Santa Cruz.

Ao longo de todos estes anos, centenas de estudantes de todo o mundo, de diferentes línguas, identidades, histórias, problemas... cruzaram-se na Faculdade.

É uma Faculdade de Comunicação onde aprendemos que neste Babel que é o nosso mundo, barreiras e muros podem ser derrubados, como nos diz o Papa Francisco, e nós podemos ser verdadeiramente irmãos e irmãs.

A Fundação CARF - Centro Académico Romano está fortemente envolvida nesta tarefa, atribuição de bolsas de estudo aos estudantes - sacerdotes, leigos, religiosos, seminaristas - de todos os continentes, sem distinção, e permitindo-lhes utilizar todas as ferramentas mais modernas através do financiamento das actividades teóricas e práticas realizadas na Universidade Pontifícia da Santa Cruz, para que depois possam regressar aos seus países e plantar aí as sementes que receberam em Roma, fomentando o crescimento de frutos de paz, formação de alto nível, unidade e a capacidade de se compreenderem melhor, não só entre os cristãos, mas com pessoas de todas as religiões e identidades.

 

Gerardo Ferrara
Licenciado em História e Ciência Política, especializado no Médio Oriente.
Responsável pelo corpo discente
Universidade da Santa Cruz em Roma

Sacerdotes, o sorriso de Deus na Terra

Dê um rosto à sua doação. Ajude-nos a formar sacerdotes diocesanos e religiosos.

Artigos relacionados