Arcebispo Arjan Dodaj: do comunismo ao sacerdócio - Fundação CARF
Seleccionar página
CARF
14 Nov, 22

Testemunhos de sacerdotes

simon_muhangwa

Arcebispo Arjan Dodaj: do comunismo ao sacerdócio

A Arquidiocese de Tirana-Durrës é uma circunscrição eclesiástica latina da Igreja Católica na Albânia. O Papa Francisco nomeou o Rev. Arjan Dodaj bispo auxiliar desta arquidiocese, atribuindo-lhe a sede titular de Lestrona, no dia 9 de Abril de 2020, aos 43 anos de idade. Criado numa cultura ateia e comunista, ele converteu-se e descobriu a sua vocação para o sacerdócio. Hoje ele é o Arcebispo Metropolitano de Tirana-Durrës. Ele conta à Fundação CARF sobre a sua conversão do comunismo para se tornar bispo.

Arjan Dodaj Arcebispo de Tirana-Durrës

Arcebispo Arjan Dodaj é Arcebispo de Tirana-Durrës (Albânia). A sua vida não foi fácil. Ele nasceu em Laç-Kurbin, na mesma arquidiocese, no dia 21 de Janeiro de 1977. Em 1993, aos 16 anos de idade, depois de completar os seus estudos primários e secundários na sua cidade natal, emigrou para Itália e instalou-se em Cuneo, onde começou a trabalhar.

Ele trabalhou como soldador - mais de 10 horas por dia - e eventualmente encontrou a fé cristã na Fraternidade dos Filhos da Cruz. Ele foi educado no ateísmo, mas quando encontrou Cristo, foi baptizado e Deus chamou-o para o sacerdócio. Eu contactei Monsenhor Arjan Dodaj através de alguns estudantes da Fraternidade dos Filhos da Cruz, cujos membros estudam na Universidade Pontifícia da Santa Cruz em Roma, graças ao apoio da Fundação CARF.

D. Arjan Dodaj falou à Fundação CARF sobre o seu testemunho de conversão e a sua vocação.

Uma história poderosa 

"Todas as histórias são comoventes, se pensarmos que cada história tem a ver com uma pessoa, com um ser humano, com o seu mundo e a sua vida. No entanto, há histórias que são mais chocantes do que outras, pelo menos para alguns de nós que tiveram a oportunidade de viver e ver com os nossos próprios olhos certas situações que abalaram a existência de alguns países em particular.

Ainda me lembro, de facto, quando tinha 12 anos, dos barcos que vinham da Albânia para Itália nos anos 90, cheios, cheios de pessoas amontoadas nos porões, nas pontes, enchendo todos os espaços, todos os buracos disponíveis para escapar à pobreza, insegurança e incerteza que reinava no país dos Balcãs. Pode ter sido a primeira vez que a Itália experimentou o fenómeno da imigração em massa, um fenómeno para o qual não estava preparada e que é agora uma ocorrência diária.

- Fugi num navio da minha pátria... Agora voltei como bispo.

Bem, hoje contamos a história de alguém que experimentou tudo isto pessoalmente, porque um dos rapazes naqueles barcos que vimos hoje na televisão é um bispo. Ele nasceu em Laç-Kurbin, na costa albanesa, e chegou à Itália como emigrante aos 16 anos de idade, depois de atravessar o Mar Adriático num barco. Ele fugiu do seu país numa noite quente e estrelada em Setembro de 1993, em busca de um futuro e de uma forma de ajudar a sua pobre família, e hoje é o Arcebispo Metropolitano de Tirana-Durrës no seu país.

Enquanto trabalhava como soldador e jardineiro, mais de dez horas por dia, deparou-se com a comunidade dos Filhos da Cruz, cujos membros estão agora a estudar no Pontifícia Universidade da Santa Cruz Graças à ajuda que receberam da Fundação CARF - Fundação Centro Académico Romano - e redescobriu a fé cristã, que era proibida no seu país, devido à doutrina do ateísmo de Estado, mas que no entanto permaneceu impressa no seu coração, como uma memória distante, graças às canções que a sua avó sussurrou ao seu ouvido.

- Obrigado, Monsenhor Dodaj, é uma honra ter a oportunidade de o entrevistar hoje para os nossos leitores de língua espanhola. E você sabe que, como italiano, a sua história me toca pessoalmente.

Graças a si, é um prazer, porque para mim, como para muitos albaneses que conheciam a Itália através da televisão italiana que podíamos ver no nosso país, havia apenas um desejo: ir a Itália.

Uma família humilde e simples

Fiquei muito impressionado com a sua história, com aquela fé que se mantém, bastante semeada e enterrada no coração, sem que alguém se aperceba, e que depois de muitos anos floresce...

Sim, e tudo por causa da minha família, uma família muito humilde e simples, originalmente do norte da Albânia. Então eu nasci em Laç, uma cidade conhecida especialmente por um santuário dedicado a Santo António, que é muito querido por todos os albaneses e está localizado na montanha atrás da minha aldeia. Este santuário é um lugar que sempre me acompanhou na minha vida. De facto, desde criança, a escola que eu frequentava era ao pé da montanha e mesmo ao lado dela era o caminho ao longo do qual, especialmente às terças-feiras, por volta da festa do santo, ou outras festas das quais eu não tinha conhecimento na altura, muitas pessoas iam rezar à intercessão de Santo António.

Um país comunista 

- E isto apesar de viver num país comunista?

Sim, e apesar das proibições estritas do sistema comunista num país que era, de facto, ateu por constituição. A minha família era de origem humilde: o meu pai trabalhava numa fábrica e a minha mãe num estaleiro de construção. Para além de mim, havia as minhas duas irmãs. Crescemos juntos com muita simplicidade e caridade, com muito amor e um sentido de pertença a esse grande dom que é a família.

Na aldeia perto de Laç viviam os meus avós maternos, que eu tive mais oportunidades de conhecer, pois eles não estavam muito longe. Ali tive, de certa forma, a minha primeira abordagem à dimensão religiosa, que eles viveram com grande discrição mas, ao mesmo tempo, com um profundo sentido da existência de Deus. Mesmo que fosse inconscientemente, atrevo-me a dizer que foi precisamente quando vi os meus avós que consegui respirar na experiência da fé pela primeira vez.

A minha avó estava todos os dias em frente a uma estrutura em frente da casa, que eu não sabia que era a igreja da aldeia: ela estava ali, erguida, segurando o seu terço na mão, e rezava. O meu avô, por outro lado, começou sempre o dia com o terço e só depois disso é que vieram todas as outras actividades. Estas práticas eram desconhecidas para mim, e mesmo assim transmitiram-me algo da sua fé, daquilo em que acreditavam de forma tão "acessível": a presença de Deus, invisível mas visível para eles nos seus corações.

Fuga da Albânia 

- Nos anos 90, ele decidiu fugir para Itália: porquê?

Nessa altura estávamos a sair da Cortina de Ferro em que o nosso país estava, e o pluralismo apareceu e, com ele, a possibilidade de democracia, tantos albaneses tentaram encontrar um futuro melhor no Ocidente. Pessoalmente, tentei várias vezes fugir, especialmente para Itália. A primeira tentativa foi em 8 de Agosto de 1991, depois do primeiro êxodo em massa que muitos italianos e albaneses se lembram, a de Março, quando eu tinha catorze anos de idade.

Nessa ocasião, houve o caso do famoso barco Vlora que transportava cerca de 20.000 imigrantes. Em vez disso, o barco que eu tinha decidido levar com muitas outras pessoas avariou-se e - ouso dizê-lo - por graça, não partiu. Percebi que ia ser uma viagem de grande sofrimento, pobreza e dificuldades. Depois disso, fiz várias outras tentativas para poder, como muitos dos meus amigos da mesma idade e numerosos adultos e famílias, encontrar um futuro melhor no Ocidente.

Não era um futuro que eu procurava para mim mesmo, eu era movido pelo desejo de prover também à minha família: as minhas irmãs, os meus pais, que tinham sofrido tanto na extrema pobreza e grande perseguição durante a ditadura comunista.

A segunda fuga 

- E finalmente a ocasião chegou...

Sim, em 1993, através de organizações obviamente clandestinas. Era a noite entre 15 e 16 de Setembro de 1993, eu tinha na altura 16 anos de idade. Certamente, na minha juventude, eu não estava consciente desta aventura porque, como disse, eu tinha apenas um desejo: ir para Itália. Como albaneses, só conhecíamos a Itália através do que vimos nos canais italianos.

A viagem começou a partir da lagoa da minha cidade natal, Patok, onde um barco do sul da Itália atracou. Éramos quarenta no total e tínhamos pago uma quantia considerável de dinheiro, o que era quase impossível para nós. Por esta razão eu estava em dívida mas, no momento da partida, cada um de nós já tinha necessariamente pago a soma de um milhão e seiscentos mil liras, algo como 850 euros, o que na altura, e especialmente num país como o nosso, era uma soma considerável.

Eu deixei um pedaço do meu coração 

Lembro-me muito bem daquela noite de 15 de Setembro: o belo céu estrelado e o mar calmo. À medida que viajávamos e nos afastávamos da costa, pude ver as luzes da minha aldeia a apagarem-se. De alguma forma, senti um pedaço do meu coração a cair lentamente. Chegámos a Carovigno, Puglia. Lá fomos apanhados e levados para uma casa em ruínas no meio de olivais. Depois, na manhã seguinte, juntamente com outras pessoas, apanhei o comboio para Bari e depois, nessa mesma tarde, para Turim. De facto, outros amigos estavam à nossa espera no Piemonte para nos ajudarem a encaixar na realidade italiana.

Eu trabalho como soldador 

- Não consigo sequer imaginar como deve ter sido difícil....

É claro, e ainda mais difícil devido à urgência de pagar a dívida que me restava na Albânia. Quando cheguei a Itália - graças a Deus - tinha alguns compatriotas que me ajudaram e apoiaram no primeiro período. Depois de Turim fui para Milão, onde sempre tentei encontrar um emprego. Mudei-me a pé, indo para onde quer que visse uma grua, para entrar no local da construção ou onde quer que visse um restaurante, para tentar entrar como máquina de lavar louça, mas infelizmente não foi fácil.

Outros amigos disseram-me mais tarde que em Cuneo, no Piemonte, havia uma hipótese de encontrar alguma coisa. Então eu fui lá. Instalei-me lá e imediatamente encontrei ajuda num abrigo fundado por Franco Mondino: Casa Ristoro e Pace. Assim, comecei a trabalhar primeiro como soldador e depois passei para a construção. O primeiro período em Itália foi realmente cheio de muitas dificuldades, especialmente por causa da ausência da minha família e por ter que se adaptar a uma realidade totalmente nova. Mas mais tarde, com a graça do Senhor, eu compreendi e apreciei cada vez mais este período exaustivo.

D. Arjan Dodaj Bispo Auxiliar de Tirana.

Don Arjan com o Papa Francisco.

O encontro com a Fraternidade dos Filhos da Cruz

- Até ao encontro com a Fraternidade dos Filhos da Cruz e com a fé cristã...

O meu encontro com a Fraternidade dos Filhos da Cruz, o ramo sacerdotal da Casa de Maria, teve lugar em 1993, precisamente em Cuneo. Lá conheci um padre, Padre Massimo Allisiardi, que estava envolvido na vida da comunidade. Assim, a seu convite, também eu comecei a assistir ao seu grupo de oração, entrando cada vez mais em contacto com os fundadores da Casa de Maria: o Padre Giacomo Martinelli e Nicoletta Reschini.

Através deles tomei conhecimento do extraordinário evento de Medjugorje, onde Nossa Senhora tem vindo a aparecer há mais de quarenta anos. No contexto e concepção do ateísmo total em que cresci, o mero facto de primeiro vir a saber que Deus existe e que Nossa Senhora aparece, e depois ter uma experiência viva dela, foi para mim o início de uma vida completamente nova.

Assim, após um ano de discernimento, catequese e vida espiritual, recebi o sacramento do Baptismo. Naquele tempo nasceu o desejo de consagração total ao Senhor na vida sacerdotal e tornou-se cada vez mais claro em mim, juntamente com outros jovens da comunidade.

O dom vocacional 

- Uma mudança radical na sua vida...

Claro que sim! E os meus estudos foram uma consequência desta viagem e do discernimento dos meus superiores. Após três anos como membro externo da comunidade da Casa de Maria (de 1994 a 1997), fui definitivamente admitido e assim comecei os meus estudos de Filosofia e Teologia.

Certamente, dentro da formação sacerdotal, estes estudos assumem um aspecto importante, mesmo que não sejam eles o ponto determinante. De facto, foi decisivo para mim encontrar a Igreja através daquela pequena realidade na qual a providência de Deus me tinha colocado: a experiência carismática que o Senhor me deu na Casa de Maria e na Fraternidade dos Filhos da Cruz, hoje reconhecida como uma sociedade de vida apostólica.

Acredito que esta formação e conversão não é apenas um facto de como as coisas aconteceram, mas uma necessidade concreta e diária. Cada um de nós deve desenvolver e viver o dom vocacional no contexto estável da verificação e da experiência eclesial e comunitária. O chamamento do Senhor é diário, tal como a nossa resposta, que está sempre encarnada na face concreta da Igreja.

Por isso fui ordenado sacerdote em 11 de Maio de 2003 pelo Papa João Paulo II na Basílica de São Pedro.

Ao serviço do Senhor 

- E agora você é o primeiro bispo da fraternidade - uma grande responsabilidade!

Francamente, na fraternidade sinto que sou um dos irmãos do Senhor, como todos os outros, de facto o mais indigno. Para mim, ser bispo não é um ponto de chegada, mas um apelo a uma vigilância ainda maior, a um serviço ainda maior e a uma resposta cada vez mais humilde. Sinto uma maior necessidade do apoio orante dos meus irmãos e da minha comunidade, porque tudo o que o Senhor me deu neste carisma pode enriquecer e servir a sua Igreja. Portanto, não estou de forma alguma desligado da história que me gerou.

Pelo contrário - como já disse - preciso de tirar cada vez mais desta fonte vital, para me colocar ao serviço onde o Senhor me quis. E é por isso que me sinto chamado a contribuir com aqueles dons que o Senhor me deu e o que Ele diz à Igreja através da sua Mãe, do Papa e do seu Magistério, certamente com absoluto respeito pela identidade desta Igreja particular de Tirana-Durrës.

 Fidelidade à Igreja 

- A Fraternidade Filhos da Cruz obteve recentemente o reconhecimento oficial: o que é que ela é especificamente chamada a fazer?

A nossa Fraternidade da Filhos da Cruz, bem como a da própria comunidade A Casa de Mariaé uma realidade eclesial muito jovem e os seus frutos vão sendo revelados pouco a pouco, especialmente na fidelidade à Igreja. Tal como não há fruto sem árvore, cada dom é revelado como uma tarefa de serviço à Igreja, de acordo com o desígnio específico que o Senhor gerou. Isto também se aplica à nossa realidade.

D. Arjan Dodaj Bispo Auxiliar de Tirana

"Para mim, ser bispo não é um ponto de chegada, mas um apelo à vigilância, a um serviço ainda maior e a uma resposta cada vez mais humilde. Sinto a maior necessidade do apoio orante dos meus irmãos e da minha comunidade". 

Mons. Arjan Dodaj.

Os desafios que a Igreja na Albânia enfrenta

- Quais são os desafios que a Igreja na Albânia enfrenta?

Bem, os mesmos que o Papa Francisco apresentou aos bispos da Igreja em todo o mundo. Em particular, no apelo a viver a experiência da verdadeira sinodalidade, ou seja, uma viagem comunitária do Povo de Deus. Mas se o convite é para toda a Igreja, cada realidade particular é chamada a torná-la operativa, lembrando-se da sua própria particularidade. Portanto, acredito que a nossa Igreja albanesa inscreveu a especificidade do martírio. O martírio deve ser um tesouro.

A Igreja Albanesa ainda não declarou completamente o que Tertuliano diz: Sanguis martyrum, sémen christianorum. De facto, ainda há muitos irmãos e irmãs que estão à espera de se tornarem cristãos pela graça dos nossos mártires. E nós, com uma consciência crescente, somos chamados a tornar a sua oferta evidente. Outra peculiaridade da nossa Igreja é que ela é velha e nova ao mesmo tempo. Antiga, porque é uma Igreja apostólica. O primeiro bispo da nossa diocese de Durrës foi São César, um bispo mártir, um dos setenta e dois discípulos do Senhor.

Contudo, é uma Igreja evangelizada pelo próprio Paulo, como ele diz na Epístola aos Romanos: "Em todas as direcções, partindo de Jerusalém e chegando até Illyria, completei a proclamação do Evangelho de Cristo" (Rom 15,19). Contudo, é uma nova Igreja, porque depois de cinco séculos de ocupação otomana e cinquenta anos de dramáticas torturas, perseguições e aniquilação às mãos do comunismo, é nova na mensagem que recebe. É uma Igreja que precisa de cultivar cada vez mais com bondade, paciência e amor a mensagem do Senhor, especialmente nos muitos jovens que estão à procura de Cristo e do seu amor.

Relação com a Igreja Ortodoxa e o Islão

- E é também uma realidade muito complexa, considerando a presença muito forte da Igreja Ortodoxa e do Islão no país....

Sim, e se também tivermos em conta que na nossa arquidiocese temos um grande número de pessoas que estão a iniciar o catecumenato e se estão a aproximar do Igreja Católica, tornando-se filhos de Deus através do Baptismo. Aqui na Albânia, a relação com o Islão e a Igreja Ortodoxa é muito especial, senão mesmo única. O próprio Papa Francisco levou-o para o mundo como um exemplo de cooperação fraterna.

É evidente que este é um presente que nunca podemos tomar como certo, mas que devemos cultivar, acompanhar e apoiar, todos os dias. É precisamente por isso que frequentemente nos encontramos com os vários líderes religiosos em várias comissões, para lhes apresentarmos iniciativas valiosas nos campos da cultura, educação, mulheres, imigrantes e caridade. Tais iniciativas procuram solicitar e despertar na sociedade, nas instituições e, sobretudo, no coração das pessoas que precisam de unidade e comunhão que só o "espírito dos que acreditam" (cf. Actos 4:32) pode tornar evidente.

Abordar a situação dos migrantes 

- Você mesmo tem sido um migrante e hoje esta questão está mais viva e dolorosa do que nunca: por um lado a tragédia da perda de dezenas de milhares de vidas todos os anos no Mediterrâneo, por outro o medo de perder a identidade, a fé, a segurança económica e social por ser demasiado aberto para acolher tantas pessoas necessitadas. Como pensa que tudo isto pode ser resolvido?

Creio que não há uma resposta clara e definitiva a esta pergunta, porque estamos sempre a lidar com pessoas reais, com uma história, por vezes marcada por feridas, sofrimento e dor, mas também com muita esperança. Somos chamados a responder aos desejos reais do coração humano, sem nunca perder de vista a responsabilidade de alimentar essas mesmas esperanças nos países de acolhimento.

Claro que isto não significa apagar a cultura do país de acolhimento; não se oferece um acolhimento melhor perdendo a própria identidade. Se não soubermos quem somos, não podemos saber quem estamos a acolher. É portanto necessário redescobrir a beleza da riqueza do encontro entre culturas, assim como a defesa da própria identidade. Só desta forma haverá um verdadeiro enriquecimento que levará à complementaridade. Caso contrário, corremos o risco de viver numa sociedade que procura apenas normalizar tudo e todos.

Portanto, no final, posso dizer que a resposta está no amor e no serviço que vem da fé de um povo que, como a Itália, por exemplo, sabe ser acolhedor e generoso ao mesmo tempo; que sabe reconhecer a sua identidade naquelas raízes distantes no mundo da arte e da cultura e em muitas outras coisas, claro, mas principalmente naquelas raízes da fé cristã católica.

Na Universidade Pontifício da Santa Cruz 

- Na Pontifícia Universidade da Santa Cruz temos um pequeno mundo marcado por tudo o que dizeis, e também pelo prazer que a Fraternidade dos Filhos da Cruz, que é a vossa família de origem na fé, como muitas outras realidades da Igreja universal, tem a possibilidade de receber uma formação adequada para enfrentar todos estes desafios a nível global.

Estou muito grato ao Senhor por todas estas realidades que, como a Universidade da Santa Cruz, surgem do trabalho profético que São Josemaria Escrivá soube dar à Igreja através da Prelatura do Opus Dei. Juntos, pedimos a graça de que na Igreja e no lugar onde nos encontramos, possamos sempre saber como levar essa graça que o nosso Senhor semeou nos corações dos santos. De facto, nós também, herdando estes dons da sua oferta e resposta, podemos por sua vez ser incluídos no sinal de profecia que eles foram capazes de proclamar. Assim, juntos podemos tornar-nos uma semente de profecia e esperança para todos os que encontramos. Obrigado.

Muito obrigado a si, Monsenhor.

Gerardo Ferrara
Licenciado em História e Ciência Política, especializado no Médio Oriente.
Responsável pelos estudantes da Pontifícia Universidade da Santa Cruz em Roma.

Sacerdotes, o sorriso de Deus na Terra

Dê um rosto à sua doação. Ajude-nos a formar sacerdotes diocesanos e religiosos.

Artigos relacionados