Maurício, seminarista: NBA ou Deus? - Fundação CARF
Seleccionar página
CARF
31 Fora, 22

Testemunhos de sacerdotes

simon_muhangwa

Maurício do Brasil: do sonho da NBA ao cumprimento da vontade de Deus

Maurício é um seminarista brasileiro de 25 anos de idade. Ele nasceu em Belford Roxo, no estado do Rio de Janeiro em 1997 e estuda na Pontifícia Universidade da Santa Cruz (Roma) e vive no Seminário Internacional Sedes Sapientiae. Ele está a estudar para um Bacharelato em Teologia graças a uma bolsa de estudo da Fundação CARF. Ele conta-nos como Deus tocou a sua vida, quando não a tinha imaginado e tinha tomado caminhos muito diferentes. Desde o sonho de jogar na NBA até ao cumprimento da vontade de Deus.

Maurício, um seminarista brasileiro de 25 anos de idade, conta-nos o seu testemunho. "O meu nome é Mauricio Silva de Andrade, nasci a 30 de Março de 1997. Eu sou o único filho de Luiz Claudio Ferreira de Andrade e Flavia Souza da Silva, pois a minha mãe perdeu um bebé enquanto ainda estava grávida.

Mudámo-nos em 2001 para Campo Grande, capital do estado de Mato Grosso do Sul, porque o meu pai está nas forças armadas. Eu cresci e vivi lá até me mudar para Roma.

Bons exemplos 

"Em casa eu sempre tive bons exemplos. Os meus pais eram trabalhadores e muito amados por todos, grandes modelos para a minha vida. No entanto, embora a maioria da minha família seja cristã - fui baptizada com a idade de um na Igreja Católica, Durante a minha infância nós não costumávamos ir à igreja, apenas ocasionalmente, a convite de amigos dos meus pais, que também eram protestantes. Raramente rezamos juntos em casa.

Ele preferiu o futebol ao catecismo 

"Quando eu tinha cerca de 9 anos comecei a dar aulas de catecismo, mas confesso que, como as conversas eram aos sábados à tarde, preferia estar com amigos a jogar futebol. Estive ausente muitos dias e quase não fiz as actividades sugeridas para eu fazer em casa. Eu também não tinha interesse em assistir à Missa, tudo me parecia muito aborrecido. Portanto, Finalmente desisti da catequese e não recebi a minha primeira Comunhão.

Naquele tempo eu tinha ideias muito críticas sobre a Igreja, porque na minha mente a fé era algo mitológico e alheio à vida real, mera superstição, e eu olhava para as pessoas religiosas com um certo desprezo. O quanto eu estava longe de ser um seminarista do Brasil". 

A perda do meu pai, o mundo a partir de outra perspectiva

"Gradualmente, à medida que amadureci - era ainda muito jovem e com uma visão muito limitada do mundo - comecei a ter um conceito de religião menos pejorativo. O que definitivamente trouxe uma mudança na minha vida foi a morte do meu pai num acidente de carro. Eu tinha apenas 12 anos de idade. Ele era um homem bom e amoroso, todos o amavam... Por isso perguntei-me para onde tinha ido depois da sua morte, e se tudo o que tinha feito na sua vida teria feito sentido.

E foi aí que comecei a ver o mundo de uma perspectiva diferente e a religião deixou de ser algo negativo. Comecei a ler livros sobre doutrina católica para encontrar as respostas às minhas perguntas.

Mauricio Silva de Andrade, seminarista do Brasil

Nesta foto Maurício, um seminarista brasileiro, é mostrado com o grupo de oração dos seus colegas de turma da universidade, onde o seu caminho para Deus deu uma volta providencial.

Um encontro com um diácono permanente

"Um dia, a caminho de casa e passando por uma capela, apanhei boleia e encontrei um diácono permanente que vivia no meu bairro. Surpreendentemente, ele perguntou-me se eu tinha recebido aulas de catecismo e eu respondi que sim, quando era criança, mas que desisti porque não estava interessado.

Depois da minha resposta, ele convidou-me amavelmente para participar em aulas de religião com jovens da minha idade que estavam a preparar-se para a Confirmação. Eu aceitei o convite. Desta vez eu tive uma atitude muito diferente, comprometi-me e finalmente recebi a Eucaristia e a Confirmação.

Admiração pela doutrina católica 

"Aquele treino despertou em mim um grande admiração pela doutrina católica, tanto que depois de receber os sacramentos, Eu nunca deixei de assistir à missa dominical. Além disso, eu não desisti dos meus grupos de oração com jovens, rezei o terço e tentei assistir a retiros. Eu estava muito interessado em tudo o que tinha a ver com a Igreja. Fiz novos amigos que me ajudaram muito e ainda me ajudam a crescer na minha fé.

Desporto e basquetebol: o sonho da minha vida

"Quando terminei a escola (estava numa escola militar) fui para a universidade, ainda não percebi bem o que realmente queria.porque o meu único projecto pessoal era jogar basquetebol: eu sonhava em chegar à NBA.

Inscrevi-me em Direito na Universidade Católica Dom Bosco. Eu sabia que teria a oportunidade de jogar basquetebol lá porque por vezes treinei com a equipa da universidade. Quando era criança, fiz parte da equipa do Colégio Dom Bosco, ambas instituições salesianas. Nunca me passou pela cabeça ser um seminarista. Com o passar dos anos, este sonho foi-se contra a realidade: apercebi-me que era inviável, tal como era inviável tornar-se um atleta profissional.

Descobrindo Deus na Universidade 

"Foi na universidade que a minha caminhada com Deus deu outra volta, agora mais radical. Apesar dos desafios do ambiente universitário, que é frequentemente influenciado pelo cepticismo e indiferentismo religioso, continua a ser um ambiente muito desafiante.E, no cenário geral brasileiro de muita promiscuidade, a Universidade Católica permitiu-me crescer muito na fé.

Nós estudantes tivemos a oportunidade de participar na Santa Missa duas vezes por semana, e também pudemos assistir à adoração em frente ao Santíssimo Sacramento nas capelas da Universidade, onde um grupo de oração de jovens se reunia uma vez por semana. Fome para o Eucaristia cresceu em mim, bem como o desejo de ir mais vezes à confissão".

Maturidade na fé 

"Contudo, como expliquei antes, eu era um homem jovem que não tinha um projecto de vida definido. Eu deixei a faculdade de direito e mudei de curso. Comecei um novo ciclo de administração na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Aí também me juntei a um grupo semanal de oração com estudantes. Lá fiz excelentes amizades, que me aproximaram de Deus. Criámos um grupo de estudo católico na biblioteca da universidade, que deu bons frutos.

O meu caminho estava a tornar-se mais claro. Maurício, do sonho da NBA, ao cumprimento da vontade de Deus como seminarista do Brasil.

Mauricio Silva de Andrade, seminarista do Brasil, com o grupo de oração dos jovens.

As Maurícias com um grupo de oração de jovens.

"Quando eu tinha 12 anos de idade, o meu pai morreu e eu comecei a perguntar-me onde deveria estar. Graças a um encontro providencial, retomei a catequese e, como adolescente, recebi a Eucaristia e a Confirmação. Agora eu sou seminarista. 

Nossa Senhora do Carmo: o dia mais importante

"A 16 de Junho de 2019, a festa de Nossa Senhora do Carmo, assisti pela primeira vez a uma missa em latim com o meu grupo de amigos da universidade. A minha intenção era receber o imposição do escapulário e para aprender um pouco mais sobre esta liturgia, que foi algo novo para mim e que despertou a minha curiosidade.

No final da Missa conheci um seminarista diocesano, agora sacerdoteque me convidou para visitar o seminário. Finalmente aceitei, um pouco por curiosidade, mas também por causa daquela inquietação que eu tinha dentro de mim sobre as coisas de Deus.

Testemunho de amor ao sacerdócio 

"Subsequentemente, inscrevi-me em reuniões vocacionais e para me familiarizar com o ambiente do seminário. Na minha paróquia tive contacto com os seminaristas salesianos, alguns dos quais são meus amigos até hoje, embora alguns deles tenham deixado o seminário.

Um factor que me impressionou foi o testemunho dos formadores de sacerdotes do seminário, o seu amor pelo sacerdócio, a sua piedade e zelo na celebração da Eucaristia. A minha mente foi aberta e compreendi o sacerdócio de uma nova forma, de tal forma que comecei a questionar seriamente se Deus me chamava por este caminho, se a minha vocação era o sacerdócio, apesar de estar muito hesitante e temeroso de uma missão tão grande e exigente.

Seminariano, uma decisão considerada 

"Depois de muitas reuniões vocacionais, visitas frequentes ao seminário, um ano de direcção espiritual e muitas perguntas - um processo que durou cerca de um ano e meio - tomei a decisão de entrar no seminário. Não tinha a certeza se queria ser padre, mas tinha um profundo desejo de fazer a vontade de Deus na minha vida, confiando em estar onde o Senhor queria que eu estivesse, o que me deu muita serenidade.

A minha decisão foi considerada: deixei a escola de administração no segundo ano e o estágio remunerado que fiz. E isto foi apenas alguns meses depois de ter tido sucesso em cinco concursos públicos de estágios e já ter sido estagiário no Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul com mais um ano e meio de contrato. Portanto, eu estava a desistir de tudo para fazer a vontade de Deus.

Desde o sonho da NBA até à Universidade da Santa Cruz 

"Entrei no seminário propedêutico da Arquidiocese de Campo Grande em 2018 e, com a permissão do meu bispo, comecei também os meus estudos de Filosofia nesse mesmo ano. Foi um tempo muito intenso e desafiante, pois estava a estudar filosofia e a continuar com as actividades e estudos do seminário. No final de 2020, tendo terminado o meu curso de filosofia, o meu bispo propôs-me continuar os meus estudos e o meu processo de formação na Cidade Eterna, o que foi uma grande surpresa, mas também uma grande honra e alegria de me ser oferecido esta oportunidade.

Falei com a minha mãe, o meu director espiritual e formadores e disse sim ao bispo. Em Outubro de 2021 e com algumas dificuldades devido à pandemia, tive finalmente a graça de residir no Colégio Eclesiástico Internacional Sedes Sapientiae e o privilégio de iniciar os meus estudos teológicos na Pontifícia Universidade da Santa Cruz, onde estou agora no segundo ano do meu Bacharelato em Teologia.

Maurice, um seminarista graças aos benfeitores

"Como você já viu, a minha vida, como todas as vidas, é feita de encontros providenciais. E providencial é a ajuda dos meus benfeitores da Fundação CARF, não só no sentido financeiro - porque estou aqui graças a vós - mas também devido à vossa oração e proximidade espiritual, algo fundamental para qualquer seminarista e sacerdote no mundo!Muito ObrigadoMaurício, um seminarista do Brasil.

Gerardo Ferrara
Licenciado em História e Ciência Política, especializado no Médio Oriente.
Chefe do corpo estudantil na Universidade Pontifícia da Santa Cruz em Roma.

Sacerdotes, o sorriso de Deus na Terra

Dê um rosto à sua doação. Ajude-nos a formar sacerdotes diocesanos e religiosos.

Artigos relacionados