Padres Révocat e Théogène do Ruanda - Fundação CARF
Seleccionar página
Gerardo Ferrara
11 Jul, 22

Testemunhos de sacerdotes

simon_muhangwa

"O Ruanda precisa da força de Deus e da Igreja para elevar a sua alma".

Théogène Ndagijimana e Révocat Habiyaremye são dois sacerdotes ruandeses que estudam na Pontifícia Universidade da Santa Cruz em Roma, graças a uma bolsa de estudos da CARF. Théogène está a estudar para uma licenciatura em Direito Canónico e Révocat para uma licenciatura em Teologia. Nesta entrevista eles falam sobre as necessidades do seu país: "O Ruanda precisa da força de Deus e da Igreja para elevar a sua alma".

Padres Révocat e Théogène do Ruanda

Esta é a história dos sacerdotes Révocat e Théogène do Ruanda.

No final do ano académico na Universidade Pontifícia da Santa Cruz, é muito comum ver seminaristas, padres e estudantes leigos nervosos nos corredores antes de um exame importante, ajudando-se e encorajando-se mutuamente, tentando rir e distrair-se uns aos outros, talvez contando histórias de família, dos seus países, planos para férias e serviço pastoral no Verão.

Théogène Ndagijimana e Révocat Habiyaremye são dois deles, dois sacerdotes do Ruanda: estão em Roma para estudar, graças a uma bolsa de estudo oferecida a ambos pela CARF, Fundação Centro Académico Romano. Théogène está a estudar para uma Licenciatura em Direito Canónico e Révocat para uma Licenciatura em Teologia.

Famílias católicas e famílias numerosas 

Encontramo-nos com eles, que graças a Deus estão mais relaxados depois dos seus exames, por isso estão felizes por nos falarem da sua vida, da sua experiência em Roma e nos falarem de algumas das necessidades do seu país, o Ruanda, que sofreu um dos genocídios mais terríveis do século XX.

Théogène

É um prazer partilhar o nosso testemunho com os leitores, benfeitores e amigos da CARF. Eu sou Théogène Ndagijimana, sacerdote diocesano da Diocese de Nyundo no Ruanda (África). Nasci a 11 de Julho de 1988 em Bwishyura-Karongi, Ruanda, e cresci na mesma região.

Révocat

Eu sou Révocat Habiyaremye, venho do Ruanda e sou um sacerdote da Diocese de Byumba. Eu nasci a 9 de Novembro de 1989 em Nyange, numa família cristã, uma família muito grande: Nós somos oito filhos, cinco irmãos e três irmãs. Eu sou o mais novo. Eu cresci com os meus irmãos e a nossa mãe, porque o meu pai morreu cedo, quando eu tinha 5 meses de idade. Foi a nossa mãe que cuidou de nós e nos educou. Ela ainda está viva e tem 74 anos de idade.

Descobrir uma vocação através da família

Ambos me disseram que a família tem sido um ambiente fundamental para a sua fé e para a descoberta da sua vocação?

 Théogène: Claro que sim! De facto, eu também, tal como o Révocat, nasci numa família católica, e o meu pai e a minha mãe também nasceram em famílias católicas, casaram-se religiosamente e tiveram quatro filhos, dois rapazes e duas raparigas. Eu sou o mais velho.

Infelizmente o nosso pai desistiu da sua alma muito cedo, e nessa altura eu, o mais velho da família, tinha apenas nove anos de idade, enquanto a nossa mãe estava grávida do mais novo dos meus irmãos. Apesar das dificuldades de nos criar sozinhos, a nossa mãe deu-nos tudo e foi, como o meu pai quando ele era vivo, o nosso primeiro educador na fé.

As raízes da fé 

Ter a oportunidade de nascer numa família cristã é o meu ponto de partida para aprender sobre a fé católica porque fui baptizada na fé dos meus pais quando era criança, no dia 19 de Fevereiro de 1989. À medida que evoluímos num ambiente de múltiplas denominações cristãs, através da família e amigos, a minha mãe ensinou-me o essencial da nossa fé muito antes, tais como as orações e o que caracteriza a nossa fé católica em comparação com outras denominações.

Depois da família de origem, houve também uma grande contribuição da família alargada, especialmente da minha mãe. Infelizmente, todos eles foram massacrados durante o genocídio. Lembro-me que, mesmo antes dos três anos de idade, quando ia visitar os meus tios, o meu tio materno acordava-me muito cedo pela manhã, para que pudéssemos ir juntos à missa da manhã do dia da semana. Todos estes detalhes são as raízes do meu conhecimento da fé católica.

O dom dos pais cristãos

Révocat: Estou também muito grato ao Senhor porque Ele nos deu o grande dom de nascer para os pais cristãos: o meu pai deixou-nos um belo legado de canto na igreja porque tinha um coro paroquial que dirigia. Como crianças todos crescemos naquele coro que ainda existe na nossa paróquia natal e desde pequenos temos sido um pouco músicos.

E então a nossa mãe ajudou-nos muito a crescer na fé. Quando o meu pai morreu, ela ficou sozinha, mas fez tudo o que pôde para nos educar nos valores cristãos, para nos ajudar na paróquia, seja cantando ou servindo na missa, seja estando sempre presente nos movimentos juvenis das paróquias católicas. Ela também fez todo o possível para nós rapazes estudarmos no seminário menor da nossa diocese: foi difícil para ela pagar por isso, mas, graças a Deus, nós conseguimos terminá-lo. Além disso, três de nós somos padres! O resto dos irmãos e irmãs são casados e têm filhos.

Révocat e Théogene

Théogène Ndagijimana e Révocat Habiyaremye são dois sacerdotes do Ruanda, um país que sofreu muito com a sua dolorosa história de genocídio. "A sociedade ruandesa está muito ferida, mas pela graça de Deus a reconciliação está lentamente a avançar", dizem eles.

Para eles, uma sociedade ferida como a do Ruanda precisa de pastores bem treinados que tenham a capacidade de ouvir e a capacidade de acompanhar as pessoas feridas: precisa de verdadeiras testemunhas do amor de Deus e do próximo.

Os homens e mulheres do Ruanda precisam de saber que o Reino de Deus está entre eles. E em mim, fruto de tal sociedade, Deus semeou o desejo de torná-la presente entre o seu povo através da minha vida. Responder positivamente à sua chamada fez-me alterar Christuspara que o possa servir fielmente.

Raiz da vocação sacerdotal

 Uma forma essencial de descobrir a sua vocação!

 Théogène: Não tenho dúvidas de que a educação cristã que recebi na minha família é a raiz principal da minha vocação sacerdotal. Contudo, toda a vida não dura sem ser nutrida, por isso a minha vida cristã foi nutrida pela participação na Missa e pelas orações familiares que tínhamos em casa. Depois da minha primeira comunhãoEu comecei a servir na missa como acólito. Isto ajudou-me a observar os padres da nossa paróquia, que fizeram o seu melhor para trazer esperança à comunidade ferida pelo genocídio contra os Tutsis em 1994.

Ao ver padres a darem-se desta forma, enquanto alguns ficaram órfãos e testemunharam a morte dos seus entes queridos da forma mais atroz, perguntei-me como é que eu também iria contribuir para esta obra de Deus para trazer de volta a vida a uma sociedade tão ferida como a nossa.

Genocídio e rendição a Deus

Então o genocídio, porque foi uma coisa tão terrível, fez com que você quisesse tornar-se um padre ainda mais?

Théogène: Sim, de facto, eu comecei a ter tais pensamentos em 1999. Eu estava na 5ª classe da escola primária e estava a preparar-me para receber a Confirmação no ano seguinte. Aqui eu noto que nesta altura estávamos há cinco anos sem uma igreja para celebrar a Missa.

Missas dominicais no campo

Cinco anos sem Missa?

 Théogène; Houve uma missa dominical, mas foi celebrada no campo ou num pequeno salão perto da igreja paroquial. Isto não foi porque não havia igreja, mas porque muitas pessoas que ali se tinham refugiado tinham sido massacradas, pelo que a fechámos, pensando em transformá-la num memorial para as vítimas.

Após cinco anos de encerramento, graças a Deus, a nossa igreja foi renovada e reabilitada e, claro, o facto de poder celebrar a Eucaristia lá novamente deu-nos uma alegria incrível. Contudo, observar a reconstrução da nossa comunidade cristã depois dos momentos dolorosos mostrou-me ainda mais o amor de Deus. Eu também vi este amor de Deus nas nossas situações familiares, especialmente após a morte do meu pai.

"Eu não podia simplesmente sentar-me e não fazer nada.

Por exemplo, foram os benfeitores que ajudaram a nossa mãe a pagar pelos nossos estudos. Vendo as feridas na nossa sociedade causadas pelo genocídio e as suas consequências, e as obras de caridade que estavam a ser feitas, o meu coração comoveu-me a testemunhar o amor de Deus entre o Seu povo, não pude ficar parado e não fazer nada.

Depois da escola primária, tive a oportunidade de entrar no seminário menor, onde tive tempo suficiente para meditar sobre a minha vocação, rezar e observar. No final dos meus estudos no seminário menor, escrevi uma carta de candidatura ao nosso bispo para entrar no seminário maior. Após um ano, ele respondeu positivamente.

Durante o meu tempo no seminário maior, passei as minhas férias em muitas paróquias e lá também aprendi muito sobre o ministério que me esperava. Como pode ver, muitas coisas têm contribuído para alimentar e fortalecer a minha vocação.

A vocação do Révocat

E você, Révocat, o que nos pode dizer sobre a sua vocação?

Révocat: Bem, quase a mesma coisa aconteceu comigo: a minha vocação nasceu muito lentamente na igreja, cantando, servindo na missa desde criança, e quando tive esta oportunidade de estudar no seminário menor, estava sempre a perguntar-me para onde iria dirigir a minha vida: o que poderia fazer para servir o Senhor? Como poderia santificar-me mais e ajudar os outros a santificarem-se a si próprios? No final, decidi falar com o meu pai espiritual, e ele ajudou-me a compreender o meu caminho, porque lhe disse que gostaria de dedicar a minha vida a ouvir os outros, a acompanhar ou guiar as pessoas necessitadas. Então, com ele, fui capaz de aprofundar a minha compreensão do chamamento do Senhor na minha vida, e até de o ouvir mais claramente na minha alma.

Um dos episódios mais sangrentos do século XX

É evidente que duas vocações sacerdotais como a sua são fundamentais num país como o Ruanda. Lembremo-nos, então, que houve um genocídio que é considerado um dos episódios mais sangrentos da história da humanidade no século XX.

 Segundo as estimativas da Human Rights Watch, em apenas 100 dias, entre Abril e Julho de 1994, entre meio milhão e um milhão de pessoas foram sistematicamente massacradas no Ruanda (baleadas, catanas, paus, queimadas vivas, decapitadas).

E, como se lembra, as vítimas eram na sua maioria Tutsis étnicos, correspondendo a cerca de 20% da população, mas a violência acabou por envolver também Hutus moderados pertencentes à maioria do país. O ódio inter-étnico entre Hutu e Tutsi, que era generalizado apesar da fé cristã comum, estava na raiz do conflito....

"Depois do genocídio, é essencial ajudar o povo do Ruanda na esfera espiritual, porque é o poder divino que nos salva sempre. Vendo como após o genocídio tivemos tantos problemas psicológicos na sociedade ruandesa, muitas pessoas precisam de ser ouvidas, acompanhadas e guiadas.

Révocat e Théogène, sacerdotes ruandeses.

Entre o Ruanda, Lucca e Roma

E agora está a estudar na Universidade da Santa Cruz, graças a uma bolsa CARF. Diga-me, qual é o objectivo dos seus estudos?

Révocat: Depois de terminar os meus estudos no seminário do Ruanda, o meu bispo enviou-me inicialmente para continuar os meus estudos no seminário da diocese de Lucca, em Itália, já que há muitos anos que existe uma geminação entre as duas dioceses. Os sacerdotes de Lucca têm estado a realizar missões na minha diocese e agora estão a tentar levar seminaristas para Itália para formação. Depois de terminar o seminário em Lucca no ano passado, fui ordenado sacerdote no Verão de 2021 no meu país e regressei imediatamente para a minha licenciatura.

Teologia Espiritual

Révocat: Estou a estudar Teologia Espiritual por uma razão fundamental. Ao falar com o meu bispo, decidi tirar este tipo de diploma, porque sabia que teria a oportunidade de aprofundar alguns tópicos sobre acompanhamento espiritual, direcção e escuta.

Após o genocídio, é essencial ajudar o povo ruandês no campo espiritual, porque é o poder divino que nos salva sempre. Quando vi como depois do genocídio tivemos tantos problemas psicológicos na sociedade ruandesa, pensei nisso e vi que muitas pessoas precisam de ser ouvidas, acompanhadas e guiadas.

Estou certo de que, depois de terminar os meus estudos, terei a oportunidade de ajudar o meu país e a minha diocese: a restaurar a santidade e a saúde do meu país, num sentido humano e espiritual. Os cristãos, portanto, devem viver uma vida sã e santa, porque a alma santa deve habitar num corpo saudável.

Uma sociedade ferida precisa de pastores treinados

Théogène: Eu concordo plenamente! Uma sociedade ferida como a nossa precisa de pastores bem treinados, que tenham a capacidade de ouvir e a capacidade de acompanhar pessoas feridas: precisa de verdadeiras testemunhas do amor de Deus e do próximo.

Os homens e mulheres do Ruanda precisam de saber que o Reino de Deus está entre eles. E em mim, fruto de tal sociedade, Deus semeou o desejo de torná-la presente entre o seu povo através da minha vida. Responder positivamente à sua chamada fez-me alterar Christuspara que o possa servir fielmente.

Reconciliação e perdão

Mas haverá realmente esperança de que possa haver reconciliação e perdão depois de uma tragédia tão grande?

Théogène: Pois, como se lembra, o Ruanda, apesar de ser um dos países mais pequenos de África, é conhecido pela sua dolorosa história de genocídio. A sociedade ruandesa está gravemente ferida, mas, pela graça de Deus, a reconciliação pouco a pouco está a progredir.

Posso dizer-vos, por exemplo, que a minha diocese foi a mais afectada por esta tragédia, porque durante o genocídio perdeu um grande número de cristãos, bem como 32 padres, e continua a ter muitos problemas não só devido a esta trágica ferida da perda de vidas humanas, mas também por causa da insegurança que dela resultou, emigração, problemas económicos, etc. Todos estes acontecimentos têm causado muitas feridas, mas a Igreja tem contribuído muito para a reconciliação.

A contribuição da Igreja Católica

 E como?

 Théogène: Em primeiro lugar, a Conferência Episcopal e as dioceses, mas também as comunidades eclesiais de base, ou seja, paróquias, centros de escuta e de acompanhamento, etc. A Igreja Católica está a ensinar ao povo a importância de pedir e perdoar.

As comissões Diocesanas "Justiça e Paz" deram uma contribuição incalculável para a reconciliação. Padres, religiosos e leigos influentes têm sido fundamentais a este respeito. E eu, como futuro canonista, quero dar a minha contribuição para fazer avançar ainda mais o processo.

Bem, sim, posso dizer-vos que o que as autoridades civis pensaram, sonharam ou imaginaram no início, a Igreja, nós, fizemos e continuamos a fazer: unir os sobreviventes do genocídio e os genocidaires, e fazê-los sentar-se juntos para falar sobre o futuro do país.

Um trabalho incrível para o Ruanda

Bem, imaginar tanto sofrimento e ver que você está aqui para ser como um bálsamo nestas grandes feridas, faz-me pensar que os seus benfeitores do CARF estão realmente a fazer um trabalho incrível para o Ruanda e sem sequer estarem no Ruanda....

Théogène: Somos todos membros do mesmo Corpo e por isso quero agradecer aos benfeitores que tanto nos ajudam. Gostaria também de lhe pedir que reze por mim, para que eu possa ser fiel e servir o Senhor nesta difícil tarefa de reconciliação no meu país.

Révocat: Bem, também eu gostaria de terminar agradecendo de todo o coração aos nossos benfeitores que nunca deixam de pensar em nós, que nunca deixam de ajudar as nossas dioceses e a nossa Igreja necessitada.

"Muito obrigado!"

E há uma coisa que tenho de vos dizer: não só eu, mas também outro padre da minha diocese pôde estudar em Roma. Ele é o Padre Léandre Nshimyiyaremye, que, graças a uma bolsa CARF, pôde estudar para uma Licenciatura em Teologia Litúrgica há três anos e agora voltou para fazer novamente o seu doutoramento em liturgia. Portanto, realmente, muito obrigado, eu vou oferecer missas para si e que Deus o abençoe sempre!

Révocat Habiyaremye nos braços da sua mãe.

Révocat Habiyaremye, retratado aqui nos braços da sua mãe, nasceu a 9 de Novembro de 1989 em Nyange numa família cristã, uma família muito numerosa: oito filhos, cinco irmãos e três irmãs. A sua mãe teve que cuidar deles porque o seu pai morreu quando ele tinha apenas cinco meses de idade.

"Foi a nossa mãe que cuidou de nós e nos educou. Ela ainda está viva e tem 74 anos de idade. Quando o meu pai morreu, ela ficou sozinha, mas fez tudo o que pôde para nos educar nos valores cristãos, para nos ajudar na paróquia, quer fosse a cantar ou a servir na missa, quer estivesse sempre presente nos movimentos juvenis das paróquias católicas. Ela também fez todo o possível para nós rapazes estudarmos no seminário menor da nossa diocese: foi difícil para ela pagar por isso, mas graças a Deus conseguimos terminá-lo. Hoje dois de nós somos padres", diz ele.

Gerardo Ferrara
Licenciado em História e Ciência Política, especializado no Médio Oriente.
Responsável pelos estudantes da Universidade da Santa Cruz em Roma.

Sacerdotes, o sorriso de Deus na Terra

Dê um rosto à sua doação. Ajude-nos a formar sacerdotes diocesanos e religiosos.

Artigos relacionados